Mostrando postagens com marcador mulheres. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador mulheres. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 8 de março de 2018

Não assedie quem esta quieto


quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Grandiosidade feminina heroíca


quarta-feira, 8 de março de 2017

Salvamento feminino


quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Problemas da criação #28



O fim das heroínas sexy nas HQs (?)
Por Rogério DeSouza


  Nos quadrinhos de super-heróis a indústria carecia muito do público feminino que mesmo que tivessem muitas heroínas, elas não se sentiam representadas neste seguimento.

  Parte da culpa se deve a visão machista do meio corporativista, muitas vezes eram retratadas como donzelas a serem salvas ou mero objetos de sedução.
   Com o tempo, os quadrinhos vem atingindo as demais mídias e como conseqüência houve um aumento de público atingindo também o público feminino.


    A soma das leitoras de quadrinhos ao universo super-heróico é muito bem vinda, caracterizando uma diversidade maior de leitores em um mundo considerado masculino.

    No entanto, tal condição requer mudanças.


    Para as leitoras se sentirem representadas nas histórias de super heroínas as personagens tem que ter as condições físicas e sociais condizentes a seu público tirando muitos estereótipos, inclusive o que se refere à vestimenta das supra- citadas.

     Ou seja, nada de maiôs com desenhos impossíveis, decote ousado, roupa extremamente colada ao corpo ou qualquer tipo de vestimenta considerada vulgar. As heroínas podem ter corpo sensual, mas isto em hipótese alguma deve ser demonstrado explicitamente no gibi, principalmente na capa.


      Estas são condições necessárias para que nossas amigas leitoras e artistas não se sintam ofendidas e desprezadas nas histórias de super-heróis.

       Em minha opinião, elas estão certas.
       Se sentem ofendidas com a posição imprópria de uma personagem fictícia, tem que reclamar mesmo. Afinal, nós homens nos sentiríamos ofendidos se tivesse uma capa com o Superman sem camisa ou Homem-Aranha ou Conan... Opa! De qualquer forma defendo a posição delas, desculpem se pareci leviano.

       MAS... Isto não soa um pouco repreensivo demais? Será que o público masculino não tem o direito de ver sua heroína favorita sensual? Será que o artista não pode expor a beleza do corpo de uma mulher em seus traços?

        E se fizessem histórias de heróis homens desenhados de maneira sensual para o público feminino? Elas estariam mais condescendentes a visão masculina já que por muito tempo muitos heróis usam colantes e alguns apenas uma sunga?    


       Embora eu ache que as leitoras tenham o direito de reclamar, não acho certo denegrirem a artistas por retratar personagens sexys nas revistas em quadrinhos causando mudanças em sua maioria desnecessárias nas capas de algumas revistas. Parece que há um excesso de protecionismo que está tornando esse direito legítimo numa coisa maçante e qualquer contra argumento taxaria o mesmo de machista.

       
E o pior que há machistas que criticam o espaço que as heroínas vem ganhando, isto eu posso achar um verdadeiro absurdo.

       Se for este o caso, proponho algo radical:

       Uma total separação dos gêneros. Ou seja, gibis feitos para meninas e gibis feitos para meninos, como fazem no Japão. Se houver heroínas sensualizadas coloque na capa “sob contexto sexual fictício, voltado para o público masculino” e pronto. 

        Ou algo muito mais radical.
  
         Proibindo qualquer heroína de ser apresentada forma vulgarizada e desproporcionalmente inadequada ao normal físico feminino.
         Ou seja, nada de personagens como a Poderosa mostrando decote ousado, nada de Red Sonja ou Shanna usando biquínis, as personagens tem que usar armaduras e forma física moderada, adolescentes tem que parecer adolescentes e nada de seios e quadris desproporcionais.



     Acha um exagero isto? Realmente. Mas a situação esta caminhando para um cenário semelhante.

     Antes de qualquer coisa, sempre defendi que super-heroínas tenham maior destaque nas histórias, sensuais ou não. Que sejam líderes de grupo, que lutem pau a pau contra todos os tipos de inimigos e que salvem o universo sozinhas. Elas têm que ter seu espaço e as leitoras tem que aproveitar.



    É meus amigos homens. Acabou. Não iremos mais ver as heroínas como a víamos antes. Se quisermos que o mercado de quadrinhos abra espaço para leitoras, temos que abrir mãos das Vampirellas e Nielles da vida.


     Se tiverem saudades dos bons tempos, guardem suas revistas antigas ou peçam para um artista fazer uma arte comissionada de sua heroína favorita.

     Você, assim como eu, pode até achar que o mundo esta ficando cada vez mais chato.

     Mas elas estão certas.  

   
      

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Falha da filha



Ah! E aproveito para passarem uma hora divertida no ARGCast sobre vilões da MARVEL.


Eu mais uma vez com a voz de Zacarias que deus me deu junto com amigo Daniel HDR, Marcos Dark (Âmago), Andy NakamuraMatheus “HQ Man” Vale (Quadrinhossauro)e Luis Carlos Modesti (Uarévaa).
Falamos dos melhores e dos piores (entendam como quiser.) bandidos da casa de idéias mal intencionadas.
Ouçam!


terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Batman e as gostosas


Olá amigos estou em mais um ArgCast (o último deste ano) falando desta vez não do homem-morcego, mas das mulheres que passaram por sua vida (até o Robin?).
Eu participo dessa bat-zoeira com Daniel HDR Ivo “Hell” Kleber (MDM),Bruno Costa (Cinecast) e Felipe Morcelli (Terra Zero).

Ouçam!!

http://www.dinamo.art.br/podcast/152/

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Problemas da Criação #17-A


Menina não entra - Parte1



Por Rogério DeSouza





Certa vez, eu vi um filme chamado Ultravioleta cuja protagonista é uma mulher meio vampira com habilidades sobre-humanas. O filme não era dos bons, pois pecava por valorizar mais o visual do que a história propriamente dita. Nesta mesma época, eu resolvi fazer uma história, não vem ao caso contá-la aqui, mas o que posso adiantar é que isto foi motivado pelo fracasso não só dessa, mas de outras películas de ação protagonizada por mulheres.
Mulher e ação não combinam é o que diz o público em geral, ou não?


Vejamos assim:
Anos 70, discoteca, pós-hippie, punk e o feminismo entrando forte no cotidiano refletindo nas séries de TV americanas: Police Woman, As Panteras, Mulher Biônica e Mulher Maravilha... De repente, acabou.

Depois, nos anos oitenta tivemos um “bum” dos filmes de ação protagonizado por homens chamados “brucutus” como Stallone, Arnold Schwarzenegger, Chuck Norris e outros. Era uma época muito divertida onde existia o exército de um homem só, passando por cima de todos os inimigos como se passeasse pelo jardim.
No meio daqueles caras musculosos sem camisa, não havia espaço para “elas” que se contentavam a serem salvas do perigo. Tinha um seriado de TV nesta época chamado Dama de Ouro (Lady Blue, no original) cuja protagonista era uma policial chamada Katy Mahoney que metia bala nos bandidos sem piedade. A série teve apenas 13 episódios infelizmente.

Também teve o filme Guerreiros de Fogo, protagonizada pela atriz Brigitte Nielsen que faz o papel da guerreira Red Sonja, personagem literária e dos quadrinhos, também aparece neste filme Schwarzenegger como parceiro da heroína e bem destacado nos cartazes do filme que não foi bem para variar.

A única representante bem sucedida nesta época é Hellen Ripley no segundo filme da franquia Alien, dirigido por James Cameron (Que anos mais tarde transformaria a acuada Sara Connor numa corajosa combatente em Exterminador 2) .

Qual o problema de mulheres não emplacarem em filmes de ação?
Bom, segundo estudiosos as mulheres fisicamente são diferente dos homens, tendo inúmeras limitações em decorrência de sua fisiologia característica com distúrbios de temperamento e hormonais...
Sinceramente, acho isso uma desculpa. É machismo puro e simples. Nossa visão da mulher é daquela linda princesa de pele delicada e aparência majestosa (Pra não dizer sensual ou gostosa, ok?) e pura que inspira poetas e causa paixões. Ninguém associa isso a alguém capaz de encher um homem de pancada e em pleno inicio do século XXI estamos engatinhando para mudar isso.
Um sinal de mudança surgiu nos anos noventa com a volta das séries de TV: Buff, a caça vampiros , Joss Whedon nos ensina que as mulheres podem dar uns tabefes nos mal feitores de vez em quando. Mas o maior símbolo desse gênero é Xena, a princesa guerreira, estrelada por Lucy Lawless que fez grande sucesso na mídia nos anos noventa, finalmente uma protagonista feminina munida de espada lutava a altura dos brucutus de épocas passadas que estava em franca decadência. Nem mesmo a referencia ao lesbianismo diminuiu o sucesso da série.

Enquanto isso no cinema, lar dos filmes de ação havia lampejos de que nem sempre os homens partiam pra cima dos mal feitores. A exemplos de Maquina Mortífera 3, Nikita, filmes chineses, etc... Houve alguns filmes de 007 em que o espião britânico teve parceiras que estavam em sincronia com ele quando for para atirar e derrubar inimigos.
Já nos anos 2000 a coisa estourou de vez com o filme que adapta o seriado das Panteras (Charlie’s Angels), antes disso víamos Carrie-Anne Moss dando aquele chute da garça em 360° na cara de um guarda no memorável filme The Matrix.
Na tangente, temos Tomb Rider, Anjos da Noite, Aeon Flux, Resident Evil e participações explosivas em filmes como Demolidor (Elektra que teria um filme solo depois), Tigre e o Dragão, X-men 1 e 2 (Mística e Lady Letal), Exterminador do futuro 3 (a Terminatrix)... Sem falar um caso à parte chamado de Kill Bill, filme de Quentin Tarantino estrelado por Uma Thurman que faz um papel de uma noiva ex-assassina que passa se vingar de seu antigo chefe Bill (David Carradine) após ele ter orquestrado uma chacina no ensaio de seu casamento.
Embora Kill Bill tenha tido um sucesso relativo, a maioria dos filmes de ação com mulheres emplacaram muito pouco, embora tivessem suas relativas continuações ainda são colocadas numa categoria abaixo.
Sucker Punch, último filme dirigido por Zack Snyder, sobre uma jovem num manicômio vivendo num mundo surreal e cheio de ação em sua mente para escapar do lugar junto com demais detentas. O filme, segundo dizem tem um visual lindo com bastantes cenas dinâmicas, tiros, lutas... Mesmo assim não empolgou o público, nas bilheterias.

Seria culpa das meninas guerreiras? Creio que não totalmente... Muitos desses filmes pecam nos roteiros e exageros estéticos (até aceitáveis se fossem no contexto) e por isso contribuem para que as garotas não engrenem como heroínas de filmes de ação.
Nossas garotas precisam de uma seqüência de filmes com bons roteiros, talvez ajude a minar nosso preconceito diante do “sexo frágil”...

VEJA A PARTE 2 Onde falarei das heroínas nos quadrinhos, animações e mais detalhes sobre este assunto tão abrangente.