terça-feira, 21 de outubro de 2014

Pegação super-heroica


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Sentimento dos estranhos


domingo, 12 de outubro de 2014

Dia da criancice


terça-feira, 30 de setembro de 2014

Estepe planetário


Em tempo, depois desta revelação interessante ou não, vamos a um verdadeiro atestado de velhice da minha parte com a minha participação no ARGCast 150 relembrando um dos melhores formatinhos da década de oitenta: SUPERAVENTURAS MARVEL.

Ouça e boa viagem!


terça-feira, 23 de setembro de 2014

Problemas da criação #27


Como agradar?
Por Rogério DeSouza


Quando eu era criança, adorava seriados de heróis japoneses como Ultraman e Spectreman. Na época mal notava o zíper da fantasia daquele monstro ou os fios quase invisíveis que levavam aquelas naves de brinquedo. Coisas que agora noto principalmente em produções mais atuais cuja tecnologia de efeitos evoluiu bastante.
Durante nosso crescimento, desenvolvemos uma visão diferente das coisas ou em outras palavras um senso crítico. Coisas que Ultraman e Spectreman devem enfrentar hoje em dia e você criador também.
Com a proliferação da internet a coisa só se ampliou e todos se tornaram formadores de opinião em potencial e julgam tudo que assistem ou consomem.
Se as pessoas falam mal da qualidade do papel de uma revista impressa por uma grande editora, imagine por uma revista impressa na pequena gráfica perto da sua casa. É necessária uma compensação muito grande para ser aceito por tal público.

Afinal, tudo tem que ser perfeito, impecável?

No que noto ultimamente, se não for acabara sendo, pois o senso crítico das pessoas tem se elevado muito nos últimos anos, estamos ficando mais espertos analíticos e arrogantes.
A conseqüência é que temos que correr atrás, já que detectam falhas de quadrinhos e filmes de grandes nomes, vão detectar suas limitações artísticas feitas de forma independente.
Em minha opinião a posição do crítico é confortável, pois se vale de nossa sagrada liberdade de expressão. Tal liberdade leva algumas pessoas à serem grosseiras, o que pode parecer engraçado em alguns aspectos se for levado na esportiva, mas prejudicial em outro, fomentando o ódio inconsciente a determinada pessoa que apenas faz seu trabalho.
Havia um sujeito que criticava todo mundo de maneira ferrenha, ele tipo “descia a lenha” “sem papas na língua”, ofendia sem critérios e tinha até seguidores.
Eu perguntava a amigos o que esta pessoa gostava?
O que ele fazia de sua vida?

Existem esses tipos ainda, com maior ou menor intensidade, alguns nós gostamos e outros nem tanto.
Muitos os conhecem como trolls, termo tirado de um monstro mitológico e truculento ou haters palavra referente a ódio.
Uma parcela destes formadores de opinião nos fazem sentir mal por termos um gosto diferente do dele e até indiretamente somos acusados de fomentar a ignorância pelas nossas preferências e por nosso trabalho.

Afinal “o critico sempre tem bom gosto” e usa isso para julgar o trabalho alheio.

No entanto, você deve separar do bom crítico do mau crítico. Ou seja, aquele que salienta tanto os pontos negativos como os positivos que analisa com o intuito de guiar a pessoa e não apenas fazer pouco dela, achando que com isso a tornaria uma pessoa melhor. O mau crítico salienta apenas um lado da moeda mesmo dizendo algo de bom para disfarçar, tipo “Você é bonita, mas é uma mula”.
Por outro lado não podemos passar a mão na cabeça, quando a coisa está visivelmente errada. Então desconfie dos críticos bajuladores (geralmente sua mãe ou amigos) que dizem coisas do tipo “você é bonita e perfeita”. Isso prejudica em muito sua evolução artística.

Mas qual critica você deve ouvir?

Acho que educadores são aqueles que melhor se encaixam nesse quesito. Aqueles que dizem o que está errado dão sugestão e lhe mostram o caminho que deve ser seguido para melhorar, pessoas dizem coisas como “você é bonita, mas precisa estudar um pouco mais”.
Para lidar com o público com um senso critico bem apurado (ou do tamanho do Godzilla) você deve ter um pouco de humildade e reconhecer suas limitações. Nunca responda agressivamente quem é agressivo com você, sei que ninguém tem sangue de barata, portanto se não tiver nada melhor para dizer, o silêncio é a melhor resposta (isto também vale quando falam de coisas que você gosta). Outra boa resposta que você deve dar é no seu próprio trabalho, mostre que você sabe o que esta fazendo.
E não alimente os trolls.
Particularmente quando avalio um trabalho alheio vejo os dois lados da moeda, só que não me sinto muito confortável com isso exatamente por ser criador de histórias. Creio que já fiz algum comentário jocoso deixando escapar um pouco de arrogância de minha parte e sinto por isso.
Se não gosto muito de uma coisa nunca falo dela e se uma coisa que gosto tem alguma falha eu avalio e digo como eu faria. Não sou do tipo que diz que “isto é uma merda”. Por este motivo criei a coluna “Problemas da criação”.

Daí vem a questão do texto: Como agradar?

Eu digo que não há como agradar. Algumas pessoas podem até gostar de inicio, mas basta você mudar o seu estilo ou atitude que de repente boa parte delas deixa de gostar. É assim que funciona.
Então o jeito é baixar a cabeça e ir trabalhando e evoluindo os admiradores virão no meio de muitas opiniões e não se preocupe, são apenas isso, opiniões.



Eu ainda gosto de ver Ultraman e Spectreman, mesmo com suas limitações.