Mostrando postagens com marcador cultura pop. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador cultura pop. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Num futuro sombrio meio geek...


quinta-feira, 24 de maio de 2018

Nunca vá ao espaço sem


terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Solução na grande convenção


quinta-feira, 20 de outubro de 2016

11º Mutação na Feira do Livro de Porto Alegre

     Novamente estarei na Feira do Livro para o evento Mutação na feira.



RELEASE 




Acontece nos dia 29 e 30 de outubro de 2016 o 11º Mutação – Quadrinhos, Fanzines e Cultura Pop. O Mutação é o tradicional evento de quadrinhos dentro da Feira do Livro de Porto Alegre que congrega mais de 50 convidados, entre quadrinhistas, fanzineiros, ilustradores, pesquisadores, e fãs da cultura pop.

O evento é uma realização da Câmara Riograndense do Livro e tem a coordenação da Quadrante Sul Comics (selo de quadrinhos independentes gaúcho). Segundo Denilson Reis “o objetivo da Quadrante Sul ao coordenar o evento desde 2012 foi dar uma maior visibilidade aos fãs, fazendo um evento de fã para fã, dos quadrinhos em especial”.

Para este ano, não será diferente. Mesmo tendo grandes ilustradores como convidados, com destaque para Rogério Coelho (ilustrador da Graphic MSP “Louco”), Rodrigo Rosa (cartunista que vem apresentar sua própria editora) e os mestres Edgar Vasques e Santiago, os coordenadores não esqueceram os fãs. Hélio Guerra estará falando dos 80 anos do Fantasma, Gilson Cunha falará dos 50 anos de Star Trek e Fabiano Batboy dos 50 anos da série do Batman 66.

Muitas outras atrações estão previstas como palestras, exposição de fanzines e participação de fã-clubes.
O evento será na Tenda Pasárgada (em frente ao Memorial do RS) na Praça da Alfândega, centro histórico de Porto Alegre/RS, das 14h às 21h.

Maiores informações: https://www.facebook.com/events/1782279938726371/


E vou expor e vender meu material, entre eles:



Também terei á venda desenhos coloridos a mão exclusivos por preços promocionais, aproveitem a chance!


Fã clubes: Supernatural Is Life, Herdeiros de Sonserina, All Infected, Conselho Jedi, Loremasters, Bleach/Fairy Tails

Fanzineiros: Adão Júnior, Anderson Ferreira, Ceroni Cunha, Clayton Cardoso, Fábio Barbosa, Família Falcote, Ian Soares, Jader Correa, Jorge Luís, Lucas SB, Mariana Scherer, Márcio Cabreira, Márcio Rampi, Paola Rech, Rogério de Souza, Sandro Andrade e Sílvio Ribeiro,

Mostra: Fantasma 80 Anos e Dylan Dog



CRONOGRAMA

DIA 29/10/2016

14h – Abertura oficial e vídeos de homenagens
15h – World of Warcraft com Loremasters
16h – 80 Anos do Fantasma com Paulo Kobielski e Hélio Guerra
17h – O Empoderamento das Mulheres nas HQs com Carla Pilla e Márcia Antunes
18h – Entrevista com Rodrigo Rosa por Pedro Kobielski
19h – Quadrinhos e Ativismo Político com Edgar Vasquez, Santiago e André Alves
20h – Batman: 50 Anos do Seriado de TV com Fabiano Holtz e Carlos Albornoz
21h – Encerramento


DIA 30/10/2016

14h – Abertura oficial e vídeos de homenagens
15h – Star Wars, Novas Produções com Conselho Jedi RS
16h – Entrevista com Rogério Coelho (Graphic MSP) por Guilherme Smee
17h – Quadrinhos e Literatura Fantástica com Cezar Alcazar, Duda Falcão, Fred Rubim, Eduardo Monteiro e Paulo Kobielski
18h – O Ano do Cinqüentenário: Star Trek e Ultraman com Gilson Cunha
19h – Batalha entre Heróis com Gelson Weschenfelder, Rafael Nunes e Renato Machado
20h30min – A Hora da Mutação
21h – Encerramento




terça-feira, 23 de setembro de 2014

Problemas da criação #27


Como agradar?
Por Rogério DeSouza


Quando eu era criança, adorava seriados de heróis japoneses como Ultraman e Spectreman. Na época mal notava o zíper da fantasia daquele monstro ou os fios quase invisíveis que levavam aquelas naves de brinquedo. Coisas que agora noto principalmente em produções mais atuais cuja tecnologia de efeitos evoluiu bastante.
Durante nosso crescimento, desenvolvemos uma visão diferente das coisas ou em outras palavras um senso crítico. Coisas que Ultraman e Spectreman devem enfrentar hoje em dia e você criador também.
Com a proliferação da internet a coisa só se ampliou e todos se tornaram formadores de opinião em potencial e julgam tudo que assistem ou consomem.
Se as pessoas falam mal da qualidade do papel de uma revista impressa por uma grande editora, imagine por uma revista impressa na pequena gráfica perto da sua casa. É necessária uma compensação muito grande para ser aceito por tal público.

Afinal, tudo tem que ser perfeito, impecável?

No que noto ultimamente, se não for acabara sendo, pois o senso crítico das pessoas tem se elevado muito nos últimos anos, estamos ficando mais espertos analíticos e arrogantes.
A conseqüência é que temos que correr atrás, já que detectam falhas de quadrinhos e filmes de grandes nomes, vão detectar suas limitações artísticas feitas de forma independente.
Em minha opinião a posição do crítico é confortável, pois se vale de nossa sagrada liberdade de expressão. Tal liberdade leva algumas pessoas à serem grosseiras, o que pode parecer engraçado em alguns aspectos se for levado na esportiva, mas prejudicial em outro, fomentando o ódio inconsciente a determinada pessoa que apenas faz seu trabalho.
Havia um sujeito que criticava todo mundo de maneira ferrenha, ele tipo “descia a lenha” “sem papas na língua”, ofendia sem critérios e tinha até seguidores.
Eu perguntava a amigos o que esta pessoa gostava?
O que ele fazia de sua vida?

Existem esses tipos ainda, com maior ou menor intensidade, alguns nós gostamos e outros nem tanto.
Muitos os conhecem como trolls, termo tirado de um monstro mitológico e truculento ou haters palavra referente a ódio.
Uma parcela destes formadores de opinião nos fazem sentir mal por termos um gosto diferente do dele e até indiretamente somos acusados de fomentar a ignorância pelas nossas preferências e por nosso trabalho.

Afinal “o critico sempre tem bom gosto” e usa isso para julgar o trabalho alheio.

No entanto, você deve separar do bom crítico do mau crítico. Ou seja, aquele que salienta tanto os pontos negativos como os positivos que analisa com o intuito de guiar a pessoa e não apenas fazer pouco dela, achando que com isso a tornaria uma pessoa melhor. O mau crítico salienta apenas um lado da moeda mesmo dizendo algo de bom para disfarçar, tipo “Você é bonita, mas é uma mula”.
Por outro lado não podemos passar a mão na cabeça, quando a coisa está visivelmente errada. Então desconfie dos críticos bajuladores (geralmente sua mãe ou amigos) que dizem coisas do tipo “você é bonita e perfeita”. Isso prejudica em muito sua evolução artística.

Mas qual critica você deve ouvir?

Acho que educadores são aqueles que melhor se encaixam nesse quesito. Aqueles que dizem o que está errado dão sugestão e lhe mostram o caminho que deve ser seguido para melhorar, pessoas dizem coisas como “você é bonita, mas precisa estudar um pouco mais”.
Para lidar com o público com um senso critico bem apurado (ou do tamanho do Godzilla) você deve ter um pouco de humildade e reconhecer suas limitações. Nunca responda agressivamente quem é agressivo com você, sei que ninguém tem sangue de barata, portanto se não tiver nada melhor para dizer, o silêncio é a melhor resposta (isto também vale quando falam de coisas que você gosta). Outra boa resposta que você deve dar é no seu próprio trabalho, mostre que você sabe o que esta fazendo.
E não alimente os trolls.
Particularmente quando avalio um trabalho alheio vejo os dois lados da moeda, só que não me sinto muito confortável com isso exatamente por ser criador de histórias. Creio que já fiz algum comentário jocoso deixando escapar um pouco de arrogância de minha parte e sinto por isso.
Se não gosto muito de uma coisa nunca falo dela e se uma coisa que gosto tem alguma falha eu avalio e digo como eu faria. Não sou do tipo que diz que “isto é uma merda”. Por este motivo criei a coluna “Problemas da criação”.

Daí vem a questão do texto: Como agradar?

Eu digo que não há como agradar. Algumas pessoas podem até gostar de inicio, mas basta você mudar o seu estilo ou atitude que de repente boa parte delas deixa de gostar. É assim que funciona.
Então o jeito é baixar a cabeça e ir trabalhando e evoluindo os admiradores virão no meio de muitas opiniões e não se preocupe, são apenas isso, opiniões.



Eu ainda gosto de ver Ultraman e Spectreman, mesmo com suas limitações.


terça-feira, 8 de junho de 2010

Problemas da criação#10





ISTO É UMA MERDAAAAAA!!!
Por Rogério DeSouza

Sentiu o ódio no titulo, não é?


Bom, começo declarando que tenho um gosto musical muito eclético. Muito, mesmo. Gosto desde Roxette até Radiohead, de Oasis até Blur, de Raul Seixas até Mamonas Assassinas e por ai vai...
Difícil definir meu gosto musical, pois me ligo mais na música em si do que o músico ou em outras palavras, se gostei da música, esta no meu playlist. Se uma banda ou músico tem bastante musicas que eu ache bacanas compro seu CD ou baixo suas musicas.
É mais fácil saber o que não gosto: PAGODÃO, FUNKÃO, SERTANEJO e AXÉ. Mas não se preocupem, amigos que gostam dos gêneros, eu não os ODEIO.
Já vi pessoas se sentirem incomodadas por ouvirem esses tipos de musica em um ambiente (que nem sempre o volume está tão elevado), sinceramente às vezes me pego nesta situação. Aos gêneros musicais que me referi, digo apenas que o “pagodão” citado é o pagode mais popular, os que mais aparecem na mídia, quanto ao funk, sou adepto do velho e bom James Brown e não esses de letra exageradamente obscena. O Sertanejo até respeito pela sua ligação com o pessoal do campo, mas não é um gênero que me cative muito, assim como Axé cuja sua função apenas se limita a fazer grupos de pessoas dançarem a exaustão, para mim não serve para se ouvir no mp3 por exemplo. Mas são gêneros muito, mas muito populares e alvo de muito, mas muito ódio.
O motivo esta num misto de sua qualidade não ser das melhores e uma galeria de admiradores muito grande. Muitas vezes esses fãs exaltam seu gosto musical ouvindo suas musicas em seus aparelhos de som em alto volume sem medir o gosto das pessoas a sua volta, como conseqüência a irritação se volta para o gênero musical, pois algo que poderia ser ignorado é imposto aos seus ouvidos sem a sua concessão. E como é popular, o gênero domina grande espaço da mídia, sobrando pouco espaço para outros.

Bem, esse texto surgiu, após reler “problemas da Criação 07” onde faço a seguinte pergunta ao leitor:
“Você odeia mais Naruto ou odeia os fãs de Naruto ou simplesmente odeia a popularidade em cima de Naruto?”.

Posso estar enganado, é claro, mas o fato de odiar um gênero cultural a ponto de perder a compostura origina da popularização exagerada do mesmo e não do gênero em si. A pessoa se sente ofendida pela maioria que impõe seu gosto sobre o dele, mas geralmente não é a intenção deles e sim do mercado.
Saindo um pouco da música, nos quadrinhos, os mangás têm muitos detratores. Isto devido às editoras tentarem adaptar os seus personagens não mangás ao gênero (banalizando-o), atraindo o mesmo público. Isto enfurece os fãs tradicionais que chamam o gênero de “modinha” fazendo pouco caso dos “otakus” (pessoas que gostam de mangas, animes e cultura japonesa em geral). Mangá, para quem não tem idéia, nada mais é do que os quadrinhos feitos no Japão que é bem diversificado em matéria de conteúdo, assim como sua arte característica e enquadramento dinâmico, muito diferente dos comics americanos por exemplo. O irônico é que os fãs de mangá pensam quase o mesmo dos fãs de outros gêneros.
Muitas vezes o ódio não é voltado a um gênero e sim a um personagem, história, banda, escritor, desenhista, etc...
Vejamos Harry Potter, um jovem mago vindo da literatura juvenil é muito odiado assim como é amado, o motivo de se voltarem contra o personagem além de sua popularização atrelada a uma qualidade mediana de suas histórias é pelo personagem ser considerado um suposto plágio de Tim Hunter da série Livros de Magia da Vertigo/DC comics, também é um jovem mago com as mesmas características físicas de Harry. Neil Gaiman escritor da série da Vertigo, não acredita que a criadora de Harry Potter (J. K. Rowling) tenha plagiado Tim Hunter, mas vai convencer os fãs de Livros de Magia...
Hoje o maior causador de ódio é Crepúsculo, sobre o romance entre uma garota e um vampiro, que brilha ao sol ao invés de virar cinzas. Essa visão diferenciada da escritora Stephenie Meyers sobre vampiros e lobisomens (além da sua escrita) vem causando ódio e escárnio entre os fãs do gênero.
A incompetência e deficiência do autor também chamam a atenção, pois como desenhistas do tipo Rob Liefield estão no mercado enquanto artistas mais competentes nunca conseguem uma chance digna? Por que diretor Uwe Boll consegue fazer adaptações cinematográficas ruins de Vídeo games por tantas vezes? Ai a indignação é justificada, mas apesar disso eles continuam...


Pior é quando um artista, outrora competente, criador de obras cai de nível. Como o caso de Frank Miller, Jeph Loeb, John Byrne, George Lucas, Michael Jackson (que voltou aos bons olhos do público após sua morte)... O público é implacável e de memória curta...

Outro capítulo curioso é o ódio a um determinado personagem, isto é, um ser fictício. Muitos deles são em parte erros de abordagem do autor que tem certo “carinho” por sua criação e o mantém. Outros, considerados ultrapassados e inúteis são mantidos por sua importância histórica.
Em minha opinião acho esta modalidade de “odiar personagens” um pouco tola, basta apenas mudar ou rever o conceito do mesmo, pois diferente de uma pessoa ou gênero, isto pode ser melhorado.

Cito aqui personagens como Robin, Jar Jar Binks, Aquaman, Anjo, Jimmy Olsen, Superman, etc...

Aos de gosto seletos...

Cada um tem seu gosto e como dizem: “Gosto não se discute”, mas outros rebatem dizendo que “Gosto não se discute... Se lamenta”. E é isso, afinal como as pessoas podem não possuir o meu bom gosto? São todos tão errados assim? Como podem ver aquele filme, escutar aquela música, ler aquela porcaria de livro? Por que existem poucos de nós?
O resultado é que o individuo se "isola" em seu mundo, com seu pessoal onde se sente bem, distante daqueles débeis conformistas modistas.
É notório para você que se sinta assim, possa estranhar, mas o oposto também sente o mesmo. Entenda que nem todas as pessoas têm as mesmas preocupações e dilemas que vocês... Veja o caso do comentarista e cineasta Arnaldo Jabor com relação ao elogiadíssimo filme Batman o cavalheiro das Trevas, o homem tem uma visão tão intelectualizada e engajada que faz pouco caso do que para muitos é uma obra cinematográfica de ação, ele estreitou sua visão no que ele conhecia e de como ele vê a vida, assim como Dioclécio Luz com relação com a Turma da Mônica.
Ambos não parecem entender que há certo relaxamento da realidade em que vivem, despreocupação da realidade dura, pois por que você acha que sua mãe vê novela? Você a acha tola por isso? Por que seu pai ouve Só pra contrariar após chegar ao trabalho? E sua irmãzinha guarda gravuras de Crepúsculo? E será que eles não podem se sentir o mesmo desprezo pelos seus gostos assim como você sente com os deles?


E você consumidor de coisas por demais populares...

Entendam que existem seguimentos culturais mais abrangentes aos quais podem parecer chatos ou coisa de maluco, mas tem tanta importância quanto as suas musicas e programas dominicais. Entenda por que aquele seu amigo não quer ir para aquele pancadão ou seu namorado detesta vampiros brilhantes. Não é necessário você se estender em textos longos como este para explicar sua preferência basta apenas dizer:

Gosto disso, porque para mim, é legal.

Não se sinta culpado por gostar de coisas de pouca expressão cultural ou ofendido por ser acusado disso, apenas não sufoque as pessoas com suas preferências e vice versa.


Aos artistas.
(a quem dedico totalmente este texto)

O artista tem que ter a noção que não agradará a maioria das pessoas, aceitar criticas construtivas e ouvir as destrutivas (com cautela, afinal ninguém tem sangue de barata!), tentar melhorar ou expor suas dificuldades, se abrir ao público, admitir erros e procurar não repeti-los (como sempre falo, aliás). Como disse em outra ocasião:

O público é frio e cruel, não esta nem ai para você, não vão te ajudar ou dar conselhos, apenas te aceitar ou te rejeitar. Eles não aceitam erros porque sofrem com eles.

Tente não seguir modas, mas trabalhe com elas, brinque. Se for inevitável crie coisas alternativas (afinal a existência da Turma da Mônica Jovem não extinguiu a turma tradicional).
Cuidado com a superexposição, embora isso possa colocar o nome de sua criação em evidencia pode cansar o público.



Como autor iniciante, procuro agradar quem eu puder, pois é praticamente impossível “agradar Gregos e Troianos” ou manter a qualidade de trabalho por muito tempo. Já digo desde agora que não sou do tipo que busca originalidade, nem procuro o sentido da vida, tenho ambições de viver da minha arte, apesar das dificuldades pessoais e financeiras. Vou procurar melhorar meu trabalho e não incomodar muito. Mas se eu errei, errei. Simples.

Todos nós queremos nosso espaço, uns querem iluminação outros querem apenas se divertir enquanto outros querem o meio termo.

Temos que conviver com isso.