Mostrando postagens com marcador comics. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador comics. Mostrar todas as postagens

domingo, 19 de agosto de 2012

Problemas da criação #20


 O fim

 Por Rogério DeSouza 


 Não! Não! O “Problemas da criação” não vai acabar! Esse título se refere a uma das partes derradeiras de uma história, o fim. Em parte disso se deve após ver o final de Batman – O cavaleiro das trevas ressurge que conclui a trilogia criada pelo diretor Christopher Nolan que iniciou com os ótimos Batman Begins e depois Cavaleiro das trevas.
 
 É interessante sentir o ar de despedida dessa série de filmes, embora sempre haja novas versões de Batman no cinema, é a saida do diretor e de todo o elenco desta franquia. O olhar de Batman próximo ao final do filme nos reflete isso, um adeus. Saindo um pouco de Batman, coincidência ou não, conclui a leitura de um mangá que estava lendo há algum tempo por sugestão de amigos, chamado “Change 1 2 3”, a trama era de ação, humor e (para minha surpresa) erotismo escrita por Iku Sakaguchi e bem desenhada por Shiuri Iwasawa que contava a história de uma colegial que em segredo tinha três personalidades guerreiras distintas, desencadeadas por rígidos treinamentos feitos pelos seus três pais adotivos mestres em artes marciais após a traumática morte de sua mãe. Depois de uma boa leitura dos primeiros capítulos, me vi em sintonia com a trama e seus personagens como outro protagonista da historia que é um fã de Kamen Rider (herói muito popular no Japão cuja algumas séries já passaram aqui no Brasil) que descobre o segredo da garota e seguindo os princípios de seu herói resolve ajudá-la a lidar com suas personalidades que começam a gostar do rapaz. A trama em si tem momentos divertidos, muita pancadaria e... Bem! Calcinhas e partes da anatomia superior das mulheres a amostra, afinal (sou um sem vergonha) trata-se de um quadrinho japonês adulto masculino.

 

 Mas tirando isso me envolvi a tal ponto na trama e na história de seus personagens que ao ler o final admito que me caiu um “cisco no olho”, não só pelo sacrifício que foi feito por alguns personagens, bem ao estilo “Inception” que é outro filme de Christopher Nolan, vejam só vocês... Como saber que seria tipo a última vez que veria aqueles personagens daquela forma. Isto também me remeteu ao final de Toy Story 3, quando Andy já crescido dá os seus brinquedos para outra criança ou quando Frodo entra na barca se despedindo de todos seus amigos em “O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei” e choca ver até o DeLorean ser destruído ao final do terceiro filme de “De volta para o futuro” como um amigo que se vai. Chegando até o final de Preacher, quadrinho que também acompanhava que finalmente saiu aqui no Brasil com um preço salgado.
 

















 Assim fica a lembrança do Batman do Nolan que se despede de nós com um leve sorriso e um sacrifício simbólico em plena luz do dia. Quando você chega à conclusão definitiva de uma história é como dizer um obrigado para o seu público. No teatro é assim, ao fechar as cortinas, o elenco se curva em agradecimento a todos aqueles que acompanharam o espetáculo do inicio ao fim.
     Na conclusão de sua história, emende todas as pontas soltas se possível. Digo isso, que você um dia pode querer fazer alguma coisa, como uma continuação dentro desse universo com outros personagens ou “spin off” como é chamado ou uma história anterior como é mais freqüente hoje em dia, é o que chamam de “prequel” (prequela). Se sua intenção é a não dar continuidade de sua obra, advirto sobre finais muito abertos que são fios condutores para um público mais especulativo que querem as coisas mais bem explicadas ou que ainda querem vivenciar ainda mais dentro deste universo. Muitos autores nunca planejam o final com antecedência deixando a história fluir por si só, no meu caso na maioria das vezes eu planejo o inicio, meio e o fim. Claro, posso alterá-lo se assim for necessário e ainda criando mais de um final o que seria interessante para usar um “final alternativo”.
      Em minha opinião, ter o começo, meio e fim planejados é o método mais seguro para construir uma história. Tenha cuidado com a incoerência, quem viu a série “Lost” sabe muito bem disso. O final tem que ser épico ou intimista, se você não sabe usar clichês evite-os, principalmente os tipos “novela” (casamento, igreja, bebês nascendo.). Tenha cuidado com o monstro da expectativa, muitos finais perdem sua força por isso. Reviravoltas podem ajudar bastante, mas não deixe isso jogado na trama, procure desenvolver e esconder a tal forma que o leitor/espectador se dê conta depois. Também use um “extra” ou epilogo que é praticamente um “bis” para o público ou um apêndice que explica o destino final dos personagens. Atualmente a única série que tenho idéias de conclusão é do meu fanfic Menores do Amanhã, mas vai demorar muito até chegar lá, ou não. Tenho um pensamento um tanto randômico com meus personagens e é difícil pensar numa história definitiva para eles no momento somente para histórias fechadas e não muito longas. A meu ver parte de se criar um fim para uma história longa é tocante, pois será a última vez que acompanharemos o dia a dia daqueles amigos e vamos deixá-los em paz e aproveitarem suas próprias vidas no limbo criativo.

 Pelo menos até o próximo “reboot”...


 

segunda-feira, 5 de março de 2012

No ArgCast #86 - Batman: O melhor de todos!!



  Olá, minha gente! Dessa vez estou eu participando de mais um Argcast (com a voz mais viril que nunca... Ahahaha!) acompanhado de Mano Araújo, Emerson Vasconcelos e meu amigo Daniel HDR. Onde comentamos sobre a recente lista da revista inglesa Comic Heroes, onde foram eleitos os 50 maiores heróis das Histórias em Quadrinhos, tendo Batman na primeira colocação.

Divirtam-se!

http://www.cursodequadrinhos.com.br/podcast/86/

domingo, 30 de outubro de 2011

Reboot da DC segundo Watchmen

Em minhas longas "viagens mentais" acompanhando essas mudanças nos personagens da editora americana DC Comics detentora de Superman, Batman, Mulher Maravilha, Liga da Justiça e outros... Cheguei a uma metáfora gritante...

Watchmen.





Resolvi usar esses personagens como avatares, pois essa sensacional mini-série foi o divisor de águas dos quadrinhos de herois lá no meio dos anos oitenta. Assim como o autor Alan Moore, resolvi brincar usando a trama como metáfora do que esta acontecendo atualmente com a DC.



Aviso que apartir daqui tem Spoilers pesados sobre a trama original de Watchmen, se não leram e não querem estragar a surpresa, parem por aqui e vão comprar imediatamente essa obra (que já teve até um filme!!).




A metáfora começa na reunião dos vigilantes dos anos 60, onde o Comediante diz que não adianta um bando de mascarados fantasiados se juntar para resolver os problemas do mundo.








O Comediante neste caso, acha que é inútil os herois se reunirem para combater o mal fazendo pouco caso de seus companheiros sendo que ele é um deles. É o avatar do leitor tradicional de quadrinhos e que esta cansado das sagas em cima de sagas das HQs e fala mal de tudo que não gosta atualmente embora ainda leia quadrinhos de herois.















No outro lado temos Ozymandias, o homem mais inteligente do mundo que diz procurar a solução do problema. Este personagem, que na série é um bilionário, reflete as editoras/editores. Em outras palavras, ele que tenta resolver a questão da queda das vendas no mercado e bate de frente com o Comediante que vê que as coisas não são tão simples e dá as costas para Ozymandias...







Eis que Ozymandias planeja o "reboot" e o Comediante descobre perdendo o controle, não se conforma com a idéia pois não sabe o que vai acontecer se uma nova geração vai abraçar isso ou não. Ozymandias "o atira pela pela janela", pois não ha mais lugar para ele nesta nova visão.



Com a "morte" do Comediante deixa para trás Rorschach outro leitor das antigas muito seletivo com o que lê e quer saber o que esta acontecendo.















Coruja e Spectral são herois mais típicos e estão no meio da tempestade portanto fazem as vezes dos leitores mais comuns.




Dr. Manhattan é o ser mais poderoso da Terra com o poder de criar e mudar as coisas. Ele é nada mais nada menos do que o artista. Ele já foi uma pessoa comum (leitor) mas depois ele se tornou algo a parte (artista criador de quadrinhos).



Estoura o reboot.

Rorschach larga de vez os quadrinhos, pois não quer viver numa mentira constante, cansou de tudo.

Dr. Manhattan passou a se interessar pela humanidade. Não aprova e nem desaprova os atos de Ozymandias. E ajuda Rorschach na sua transição "matando-o", ou seja tirando-o para fora do mundo dos quadrinhos.


Coruja e Spectral não gostaram da grande tragédia que Ozymandias causou, mas não podem fazer nada. Ou seja eles são os leitores que leram e gostaram de umas cinco ou seis edições e continuam colecionando, mesmo tendo que engolir a mudança.

Ozymandias cole os bons frutos de seu estratagema que atraiu novos leitores, mas que "matou muitos inocentes" durante o processo embora se sinta seguro para prosseguir.

Mas e o futuro? Será que o mercado vai se estabilizar? Será que virão novos leitores?

Bom, pouco se sabe embora especulem muito.

Só sabemos que Rorschach deixou o seu diário para trás e pode ser uma metáfora para que se caso as coisas não derem certo, vai acontecer tudo de novo...

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Dédis sai da Tropa!!

Infelizmente o nosso pequeno amigo descorado foi dispensado da Tropa dos Lanternas Verdes. Os motivos alegados seriam "excesso de contingente", no entanto há algumas dúvidas em relação a isso. Segundo um dos membros oficiais da tropa que não quis se identificar o motivo seria as críticas do pequeno Detiano referido ao filme estrelado pelo membro Hal Jordan... No entanto uma grande demanda de membros da tropa também abandonaram seus anéis energéticos como visto nas imagens de Green Lantern Corps 61 que saiu agora nos Estados Unidos.



O fato foi registrado pelo desenhista Daniel HDR.


quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Problemas da Criação#03


Como fazer uma adaptação de uma HQ para o cinema?
Bem, eu indubitavelmente gosto tanto de quadrinhos quanto de cinema. Nos últimos anos, ambas as mídias ganharam certa aproximação. Isso começou com Superman - O Filme (1978), outrora esse nicho de basear hqs se restringia a seriados de matinês dos anos 30/40 e seriados televisivos. Depois do sucesso do homem de aço na tela grande e suas continuações, em 1989 veio o primeiro filme do Batman dirigido pelo excêntrico Tim Burton que foi um sucesso apesar das criticas com relação da escolha do ator para o papel do homem morcego. Assim como Superman, Batman teve mais três seqüências que decaíram em qualidade. Na tabela tiveram filmes baseados em HQs menos populares como o sensacional O Corvo (ultimo notável trabalho de Brandon Lee), Rocheteer, O Sombra, Dick Tracy e outros caso tenha esquecido.
Em 1998, um modesto personagem da editora Marvel chamado Blade fez bonito nas bilheterias dando uma escalada de filmes baseados nos quadrinhos da editora como X-men, Homem-Aranha, Demolidor, Hulk, Quarteto Fantástico. Independente da qualidade, os filmes baseados nos herói Marvel abriram os olhos de Hollywood quanto ao filão quadrinhos nos dando filmes como Hellboy, American Splendor, Asterix, Estrada para Perdição, Batman begins.
Hoje a Marvel criou um estúdio próprio para adaptação de seus personagens para o cinema, sem falar que a empresa foi recentemente adquirida pela mega conglomerado Walt Disney Company, num investimento de bilhões. Já a concorrente da Marvel, a DC comics (detentora de Batman e Superman) que desde os anos 70 pertence a Time Warner, começou a reavaliar suas futuras adaptações cinematográficas. Outros estúdios procuram por material mais autoral com potencial para criarem grandes filmes.
Mas apesar dessa avalanche de filmes baseados em HQs, tem muita coisa de qualidade duvidosa ou com queda da mesma nas seqüências. Lendo inúmeras criticas a respeito de filmes baseados em HQs, tomei a liberdade de criar algumas dicas de como fazer tais filmes. Pode servir também para filmes baseados em livros ou vídeo games (que realmente, estão precisando!).



1- Leia a HQ
Antes de se aventurar, numa adaptação cinematográfica um dos princípios básicos é ler a obra e não uma única vez é claro. Tenha a idéia do que se trata a história, quem são os personagens e a ambientação.



2-
Ouça quem lê
Aquele que costuma ler a obra deve ser levado em consideração. Se você já for um leitor e fã, já é meio caminho andado. Mas sempre é bom ver outras visões diferentes da sua. Mas tenha cautela, pois existem fãs muito radicais e que não conseguem ponderar sobre as dificuldades de uma adaptação.




3-
Ouça quem fez

A participação do autor da obra, sempre que possível, é importante para o processo criativo podendo muitas vezes acrescentar a obra e ser um bom apoio para manter a fidelidade sobre ela. Muitas vezes isto pode não ser possível, pois varios autores deixam os direitos aos estúdios sem ao menos se envolverem na parte criativa ou por simplesmente não estarem vivos. Visto estes empecilhos, recorra sempre aos dois primeiros quesitos.





4-
Busque a essência

Se esta a par dos três primeiros quesitos, então esta próximo da essência. Procure colocar elementos familiares na obra como personagens, lugares e falas marcantes.




5-
Tenha coerência

Tenha sempre noção que às vezes coisas que funcionam numa mídia, nem sempre funcionam em outra. Como estamos falando de uma adaptação são necessárias algumas mudanças, como características físicas e psicológicas de personagens, ambientação mais realista ou contemporânea, etc. Deve-se levar a compreensão também para os fãs que muitas vezes exigem a total fidelidade da obra.




6-Use suas idéias, mas não divague nelas

Você tem um pensamento divergente a obra e quer usá-la. Tente ajustá-la a essência da mesma acrescentando ou reinventando conceitos. Mas se atenha ao parágrafo da coerência. Não exagere, embora o filme seja seu você esta lidando com um mundo já pré-concebido e com fãs ansiosos. Ao pender os seus pensamentos sobre a obra você corre o risco de cometer erros descaracterizando-a sem necessidade.





7-O roteiro
É o que qualquer filme que se preze deve ter, sendo adaptação ou não . Um roteiro é a alma do filme e deve andar de mãos dadas com a estética. Seguindo o que fora dito nos quesitos 4, 5 e 6, ajuda bastante na elaboração de uma história.




8-Elenco


Isto pode variar bastante. A semelhança do ator com o personagem pode não contar tanto, considerando que podem ser usados artifícios como maquiagem ou efeitos digitais se caso o personagem for muito caricato. Por outro lado, se o papel pedir, não custa nada procurar alguém que possua o biótipo que se case com o personagem. Deve se evitar atores muito famosos para os papéis principais (com exceções) e também atores com nenhuma experiência cinematográfica ou teatral que o seja (cantores ou celebridades em geral) a menos que sejam feitos testes bem apurados.
A melhor opção é escolher atores não tão famosos e que já tenham atuado antes em outros tipos de filmes. Como disse, a escolha de elenco é variável, passível de exceções e é necessário testar o casting antes assumirem os devidos papéis.


9- Aos produtores e executivos

O cinema é um mercado, isto é fato. O investimento em um filme é alto e arriscado e para garanti-lo é necessária intervenção executiva...
Pois bem, este é um dos principais problemas de uma adaptação cinematográfica Hollywoodiana atualmente. Para se ter uma idéia, toda a essência de um personagem pode ser modificada para se adequar a algum modismo do momento ou atender um público maior que não conheça o personagem. A condição de ser o financiador e de ter pouquíssima familiaridade do processo de criação ocasiona inúmeros problemas de coerência e abuso indevido do visual estético do personagem, prejudicando o roteiro. O resultado vem desde a rejeição por parte dos fãs da obra, a indiferença da critica especializada e provável baixa renda na bilheteria. A solução viável para isso é ter uma ligação maior entre a parte executiva e a criativa e que ambas entrem numa certa afinidade para que tudo ocorra bem. Leve em consideração os quesitos anteriores e entenda o público em geral.



10- O equilíbrio

Tudo que é pregado nesta lista é questão de saber utilizar a linguagem para tornar a adaptação não só atrativa para quem a conhece, mas para um público que nem chegou a conhecê-la ainda. Divirta, mas não subestime a inteligência das pessoas, pois tenha em mente que o público merece qualidade e com certeza isto será recompensador. Também não pregamos uma adaptação absolutamente perfeita, o que seria um pensamento tolo. O que se procura fazer são filmes agradáveis cerebrais ou não que contagie o público. Aja com calma, pondere o que vai fazer, consulte quem precisar, exponha suas idéias e limitações.



Se você aprovou estas dicas, gostaria de um favor: Passe a diante. Traduza para o inglês se necessário ou faça comparações com filmes em seus blogs, espalhe essa idéia. É uma alternativa diferente de expor sua insatisfação quanto a má retratação de seus personagens prediletos no cinema. Quem sabe alguém lá de Hollywood não se sensibilize? Bom! Sonhar não custa nada, mas a perseverança é fundamental neste processo.
Desculpem se pareço pretencioso, ok?