Mostrando postagens com marcador dia do quadrinho nacional. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dia do quadrinho nacional. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 29 de janeiro de 2021

Quadrinho brasileiro


 

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Dia patriótico do quadrinho nacional


terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Fazendo Quadrinho Nacional


Hoje é o dia do quadrinho nacional e este ano é especial, pois só há pouco mais de um mês percebi que faz vinte anos que comecei a luta (ou loucura, depende...) foi quando comecei a fazer um curso de histórias em quadrinho do Dínamo studio (ou Deadline, na época) que era ministrado por Daniel HDR e Marcos Pinto.

Fotos de amigos do curso em anos variados... EU NÃO LEMBRO QUANDO TIREI, TÁ?



Se esse negócio de números não significa nada para você, pouco importa, foram duas décadas fazendo gibis e tiras, mesmo sendo praticamente um desconhecido no ramo, continuo meus trabalhos vendendo gibis e usando a web.

  Antes do curso eu já fazia quadrinhos, tipo para mim mesmo. Não sabia como imprimir em gráfica, nem tinha grana para tal. Foi beeem depois, já empregado e fazendo um curso que resolvi fazer para valer.

  O meu primeiro trabalho público não foi Debiloid’s, foi um fan fiction (ficção ou história de fã) baseado na Turma da Mônica chamado “Menores do Amanhã” já que não queria usar Dédis e sua trupe ainda. Numa tiragem baixíssima eu vendia apenas em eventos para o pessoal conhecer meu traço e para por em prática o que aprendi.
   Menores do Amanhã eu faço até hoje e tem um blog (que até a postagem deste texto está parado há mais de um ano por falta de tempo para fazer histórias).


   Do curso tive contatos com artistas do ramo e pude ir a eventos geek/nerd, no inicio eram apenas temática de Anime e Mangá (cultura japonesa) depois se tornaram uma coisa mais abrangente que incluía quadrinhos.


    Foi nesses eventos em que pude vender o meu peixe como artista independente e mais tarde ajudava a organizar áreas para outros artistas que vendiam seu material por si só, muito antes dos modernos e generosos Artist’s Alley.


    Também comecei meu primeiro trabalho profissional com um jornalzinho chamado Nãna. Onde aprendi um pouco a fazer tiras.



Quando tive mais acesso a internet e aprendi a criar blog, daí sim comecei a colocar Debiloid's para o mundo. Sim, o mundo! Só não acessa o site quem não quer ou tem preguiça de procurar no Google. Até fiz um domínio "Debiverso" pra facilitar... Ah! Tô reclamando, desculpa...



    E mais tarde me juntei a trupe do Dínamo Estúdio, com quem já fiz trabalhos como Retro City (o dois vem aí, pessoal!), Sketch Cards, participação em eventos e participação no podcast ArgCast...



     Conheci amigos talentosos como Maurício Dias (Retro City), Roger Goulart (Offline), Diego Moreira, Matias Streb (Alexandria), Jader Corrêa (Liga dos Pampas), Márcio Cabreira, José Weingartner (Boys don’t Cry), Gabriel Kolbe (Gatho), Gustavo Borges (Pétolas, Morte Crens, etc...)

      Por fora, Anderson ANDF, Denílson Reis, Alexandre Doepre, Amanda Paiva, Fabiano (Prof. Nerd) Silveira, Fabio Neves Martins, Elvis Moura, Wyattx, Paulo Ricardo Kobielski, Fernando Merlo, João Weingartner, Ursula Dorada, Paulo Daniel Santos, Carolina Mylius, Carlos Felipe, Wagner dos Santos, Emerson Vasconcelos, Ana Luiza Koehler, Fernando Gil, Roberto Koya, Ceroni da Cunha, Ed Muller, Adão De Lima Junior,
Família Falcote, Paola Rech, Newton Barbosa, Lucas SB, José Borba.

E outros como Sidney Gusman, Rodoney Bucemi, Eduardo Vetillo, Felipe Gomes, Fernando Caruso, Wesley Samp, Roger Cruz, OTA, Joe Prado, Luke Ross, Marcelo Campos, Gelson Weschefelder, Lorde Lobo, David Lee, Leonardo Maciel, Leo Finnochi, Vitor Cafaggi, Ziraldo, Fábio Yabu, Will Leite, Thiago Spyked, Guilherme Miorando.  

Se eu esqueci alguém ou escrevi o nome errado, me desculpem... Minha memória é péssima... 

Pois, é. Foram vinte anos que estou fazendo quadrinho nacional ou pelo menos tentando...




 










quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Dia do quadrinho nacional

Achem o Dédis neste desenho.



Pois é, organizado pelo talentoso Gustavo Borges de "A entediante vida de Morte Crens" e "Edgar" uniu inúmeros artistas nacionais para comemorarmos juntos este dia tão especial para nós.

Nunca esquecendo a origem desse dia que foi em 1869 que Angelo Agostini publicou o que é considerada a primeira aparição de um personagem fixo de quadrinhos no Brasil: As Aventuras de Nhô Quim ou Impressões de uma Viagem à Corte, no jornal Vida Fluminense.

Desde então, esta data é comemorada por muitos anos por profissionais do meio.
Parabéns a todos nós!

============
PS: Eis a lista de participantes.

Luis Felipe Garrocho - http://bufasdanadas.com/
Digo Freitas - http://digofreitas.com/
Leonardo Maciel -  http://nabundanada.com/
Rogério de Souza - http://www.debiverso.com.br/
Henrique Welbber - http://www.talcoeshow.com/
Pedro Hutsh Balboni - http://joaosejoanas.com/
Felipe 5Horas - http://kokocast.com/
Carlos Estefan e Mauro Souza – http://jonesinc.com.br/ 
Rafael Marçal - http://profeticos.net/
Rafael B. Dourado - http://blog.sapobrothers.net/
Felipe Assumpção Soares - http://www.botamem.com/
Mauricio de Sousa – http://www.turmadamonica.com.br
Fernando Cintra - http://pqartblog.blogspot.com.br/ 
Robson Reiz - www.robiscos.com
Walmir Orlandeli - http://ultimaquimera.com.br/
Elisa kwon - http://elisaymk.com
Vitor Peluso - Behance.net/peluso


segunda-feira, 15 de março de 2010

Problemas da Criação #05


O quadrinho brasileiro parte01
Por Rogério DeSouza

Ha quase um mês, estava zapeando nos sites onde costumo ler noticias e outras bobagens, quando me deparo com uma matéria do site “Melhores do Mundo.net” sobre um suposto plágio de antigos heróis brasileiros por editoras americanas há décadas atrás. A matéria questiona a veracidade da história e de seu autor. O assunto se estendeu nos comentários em seguida causando furor e textos longos. Aquela discussão havia me instigado a pensar sobre o quadrinho nacional.

Como disse nos comentários de lá, creio que o gênero HQB seja todo e qualquer quadrinho que esteja sendo produzido aqui, pois somos tão influenciados externamente seja comics, europeu ou mangá, que é difícil tirarmos uma referencia de nós mesmos. Se considerarmos isso independente do gênero de história nós estamos produzindo HQs nacionais.

Uma questão que sempre me perseguia é por que nosso quadrinho, não emplaca? Ah, sim! Mauricio de Sousa é uma grande exceção neste cenário trágico do quadrinho nacional.

A palavra “trágico” é um pouco alarmista, mas ilustra bem o que esta acontecendo com um gênero que esta se estagnando frente a outras mídias. Relegando algumas revistas a poucos números antes de serem canceladas ou não passando da primeira edição.

Muitos atribuem isso a qualidade dos trabalhos feitos e até certo ponto, concordo com isso, pois o artista independente geralmente é amador. Não basta apenas saber desenhar, fazer um gibi exige saber fazer uma boa diagramação, ortografia nos textos, sempre revisar o trabalho, imprimi-lo, etc. Eu mesmo sofro um pouco pela minha pouca habilidade em montar um gibi de maneira decente.

Outro fator seria a distribuição das revistas. Há editoras grandes que possuem tal aparato, mas não investem ou deixaram de investir em quadrinhos. Enquanto aos pequenos editores têm que se virar. Muitos estão dando um jeitinho para burlar isso, um desses são o pessoal do 4º mundo, que tem ajudado bastante trabalhos independentes.
Também temos a frieza do público brasileiro em relação ao que é produzido em seu país. O motivo seria atribuído ao que eu disse sobre qualidade, as pessoas (em grande parte dos leitores assíduos de quadrinhos) não perdoam amadorismos, como conseqüência se fecha para boas obras independentes. Também ha o ingênuo pensamento de que tudo que vem de fora é melhor. Lembrem-se, nem todos pesam assim, mas esta parcela é pequena.

Falta de incentivo pesa, pois o artista no Brasil, em sua maioria não pode viver deste oficio integralmente. O que poderia ser um trabalho mais profissional acaba se tornando algo próximo de um hobbie, tendo todo seu tempo hábil disponível a outras tarefas e menos tempo para concluir qualquer projeto que vingue.

As grandes editoras tem certa parcela de culpa por seu receio típico de experimentação, em contrapartida não podemos condená-la por isso, pois ela se sustenta basicamente de vendas e se o gibi não vender é prejuízo. Com isso lamentavelmente não dá espaço para inovações.

Algumas editoras menores publicam trabalhos em formato álbum para livrarias. O único seguimento que consegue periodicidade nas bancas são os infantis, especialidade de Mauricio de Sousa, é claro. No entanto a Turma da Mônica é o único que se sustenta no mercado atualmente com regularidade.

Em minha opinião, a solução pode ser:

Criar um meio de distribuição barato e acessível.

Pensar no seu trabalho como um álbum para livrarias e comic shops.

Cooperação entre artistas é importantíssimo no processo, nem que seja apenas para terem um contato no meio.

Criar um mercado, ai é muito difícil. Tudo dependeria de uma massiva campanha de marketing e um trabalho profissional e de qualidade.

A internet, que é um lugar prolixo para artistas que queiram mostrar sua arte (vide o cara que vos escreve!) então é um bom lugar para começar. Scott McCloud autor de “Desvendando os quadrinhos”, profetiza em seus livros que os quadrinhos digitais são o caminho, pois a internet abrange o público global.

Os estudiosos no assunto prevêem que o gibi de banca como mídia rentável acabará em detrimento de vários fatores, se tornando um artigo de luxo para livrarias. O que pode sobrar nesta área é apenas HQs infantis. No momento em que você, jovem artista brasileiro resolver querer fazer quadrinhos, tenha isso em mente, mas não se abata, continue. Talvez você mude este cenário.
Falaremos mais sobre HQ nacional a seguir.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Dia do Quadrinho Nacional

No sábado passado foi comemorado O DIA do QUADRINHO NACIONAL. Foi criado para homenagear Angelo Agostini criador do primeiro quadrinho em sequência com um personagem em território brasileiro em 30 de janeiro de 1869 sobre "As Aventuras de Nhô Quim ou Impressões de uma Viagem à Corte". É comemorado desde 1984 por artistas do ramo.

Neste ano o jornalista Paulo Ramos, autor do BLOG dos QUADRINHOS organizou uma lista de varios artistas profissionais e amadores (me incluindo no pacote...) que tem seus trabalhos divulgados na internet. Confiram aqui .

Agradecimento ao Paulo Ramos por nos dar uma força.